Formas naturais de tratar a doença de Parkinson – Parte I

A Doença de Parkinson, descoberta pelo médico inglês James Parkinson em 1817, é um transtorno degenerativo do sistema nervoso central que prejudica as funções motoras, a fala, o sono, as reações sensoriais e o humor das pessoas acometidas por esse distúrbio.

Um dos sintomas clássicos são os tremores em um ou nos dois braços e, às vezes, em outros músculos. Em geral, a musculatura fica fraca, os movimentos lentos e dificultosos, a fala enrolada e a expressão facial congelada. O doente pode eventualmente embaralhar os passos e inclinar o tronco para frente.

O Mal de Parkinson é uma doença neurodegenerativa complexa e progressiva.

Apesar dos sintomas progredirem lentamente, as habilidades mentais permanecem intactas. Porém, à medida que a doença evolui, o doente pode ter variações constantes de humor, além de uma profunda depressão.

Além do acompanhamento de um médico neurologista, de fisioterapia e de fonoaudiologia, recentes pesquisas comprovam os benefícios da nutrição funcional, da acupuntura e de diferentes terapias holísticas, que tratam a doença obtendo resultados surpreendentes.

estão surgindo novas terapias que tratam o Parkinson com resultados surpreendentes!

Acredita-se que a principal causa da Doença de Parkinson é a degeneração de uma parte do cérebro chamada substância negra. O cérebro deixa de produzir a dopamina, um importante neurotransmissor, à medida que as células cerebrais da substância negra vão morrendo.

A dopamina regula a atividade no lobo frontal do cérebro, área que comanda a comunicação, a motivação e a habilidade de sentir prazer.

A deficiência dessa química cerebral causa a perda do controle motor, a perda da atenção e do foco e, tem sido relacionada a sintomas psicológicos como por exemplo, a ansiedade social, o auto-criticismo e à dificuldade de se manter relacionamentos.

As pessoas com Parkinson têm dificuldade de se manterem em relacionamentos.

Outros fatores de risco que devem ser tomados em consideração:

  • Alta exposição à poluição química (solventes, pesticidas e herbicidas);
  • Alta exposição a corantes e todos os demais aditivos alimentícios;
  • Reação a medicamentos como por exemplo tranquilizantes e antihipertensivos;
  • Contaminação por alumínio (panelas, antiácidos, alguns tipos de pó Royal, sprays e água da bica sem o tratamento adequado);
  • Contaminação por cádmio, chumbo e mercúrio (esse último por obturações de amálgama);
  • Contaminação por monóxido de carbono;
  • Arteriosclerose;
  • AVC;
  • Inflamações crônicas;
  • Alergias ocultas;
  • Ferimento na cabeça;
  • Neurotoxinas causadas por álcool e inflamações alérgicas das paredes intestinais;

Tratamento médico convencional:

O tratamento convencional consiste na administração da droga L-dopa ou Levodopa, que se converte em dopamina no cérebro.

Além disso, outras drogas que estimulam os receptores da dopamina também são administradas.

Há um tipo de cirurgia que tem sido feita recentemente, na qual uma das supra-renais é  transferida para o cérebro, para estimular a produção de dopamina.

Efeitos colaterais:

Tanto o tratamento à base da droga L-dopa quanto a cirurgia de transferência de uma das supra-renais para o cérebro não são sempre efetivos e, ao longo do tempo, vários efeitos colaterais indesejáveis podem surgir. Por exemplo: queda da pressão arterial, náusea, vômitos, movimentos convulsivos espontâneos.

Os doentes que fazem tratamentos a longo prazo também podem apresentar sintomas psicóticos, devido à oxidação da droga L-dopa que se acumula no cérebro.

A preocupação é que a deterioração dos nervos não é solucionada, deterioração essa, que muitas vezes, acontece ainda mais rapidamente por conta de uma reação adversa à medicação, infelizmente.

Na continuação desse artigo, iremos mencionar algumas das novas terapias, que vem sendo utilizadas com muito sucesso pelos novos protocolos terapêuticos para a Doença de Parkinson. Tocaremos também na questão da causa emocional, que há por trás da doença, de acordo com as pesquisas realizadas pelo terapeuta norte-americano Walter Last. E, compartilharemos aqui as surpreendentes revelações da Dra. Janice Walton-Hadlock, que afirma que a doença pode ser revertida.

Fiquem ligados! Vocês não podem perder!

MUITO IMPORTANTE: Os artigos escritos neste blog não sugerem que as pessoas deixem de tomar as suas medicações e/ou abandonem os tratamentos médicos que já vêm fazendo. Estamos compartilhando pesquisas feitas nesta área da saúde, com o objetivo de ajudar às pessoas a terem mais bem-estar e qualidade de vida.

Comentários
  1. 9 meses ago
  2. 9 meses ago
  3. 10 meses ago
  4. 10 meses ago
  5. 10 meses ago
  6. 10 meses ago
  7. 10 meses ago
  8. 10 meses ago
  9. 10 meses ago
  10. 10 meses ago
  11. 10 meses ago
  12. 10 meses ago
  13. 10 meses ago
  14. 10 meses ago
  15. 10 meses ago
  16. 10 meses ago
  17. 10 meses ago
  18. 10 meses ago
  19. 10 meses ago
  20. 10 meses ago
  21. 11 meses ago
  22. 1 ano ago
  23. 1 ano ago
  24. 1 ano ago
  25. 2 anos ago
  26. 2 anos ago
  27. 2 anos ago
  28. 2 anos ago
  29. 2 anos ago
  30. 3 anos ago
  31. 3 anos ago
  32. 3 anos ago
  33. 3 anos ago
  34. 3 anos ago
  35. 3 anos ago
  36. 3 anos ago
  37. 3 anos ago
  38. 3 anos ago
  39. 3 anos ago
  40. 3 anos ago
  41. 3 anos ago
  42. 3 anos ago
  43. 3 anos ago
  44. 3 anos ago
  45. 3 anos ago
  46. 3 anos ago
  47. 3 anos ago
  48. 3 anos ago
  49. 3 anos ago
  50. 3 anos ago
  51. 3 anos ago
  52. 3 anos ago
  53. 3 anos ago
  54. 4 anos ago
  55. 4 anos ago
  56. 4 anos ago
  57. 4 anos ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TESTE